sexta-feira, 24 de dezembro de 2021

HOJE, O NUNO NÃO VAI LIGAR

A partir desta quadra natalícia não vamos ouvir mais a voz do Nuno Aires a desejar-nos boas festas. A doença não o deixou chegar ao Natal. Deixou-nos no passado dia 16 de Dezembro. 

Meu querido amigo e colega do liceu de Bragança, Nuno Augusto Aires, para além de prestigiado magistrado do Ministério Público, como que seguindo os passos do nosso ilustre conterrâneo Trindade Coelho, dedicou-se também à causa regionalista, tendo cumprido três mandatos, como presidente da direcção da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro. Acompanhei-o nos dois últimos mandatos, recordando agora o artigo que, a propósito da sua acção e dedicação, subscrevi em 26 de Janeiro 2008. 

Foi com o Presidente Nuno Aires e o seu dinamismo que a Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro e as suas actividades tiveram uma divulgação sem precedentes nos media, da qual recordamos esta entrevista à RTP, no princípio de 2008.

quarta-feira, 24 de novembro de 2021

CANTARES DE JOSÉ AFONSO

(Edição AEIST, 1968) 


Para além das edições da Nova Realidade (Tomar, 1966 e 1967) e da Fora de Texto (Coimbra, 1994 e 1995), prefaciadas por Manuel Simões, a obra poética Cantares de José Afonso teve, em 1968, uma edição clandestina da Associação de Estudantes do Instituto Superior Técnico, que Flávio Henrique Vara sintetiza no preâmbulo em https://flaviovara.blogspot.com/p/prefacios.html 

 No dia do meu aniversário, o meu amigo e poeta transmontano Flávio Vara mimou-me generosamente com um poema, que não resisto em divulgar. 

 DIES FESTUS 

Vinte e quatro de Novembro
dia que no calendário
assinalo entre os demais,
por ser o aniversário
do meu amigo do peito
que é o Amílcar Morais. 

Daqui lhe envio um abraço,
o felicito e lhe auguro
que perfaça muitos anos,
sempre opimos e bacanos,
por longuíssimo futuro. 

 Flávio Vara
 (in ALERTA E À LETRA, https://flaviovara.blogspot.com/ )


 

sábado, 5 de dezembro de 2020

Inteligência felina

Ontem, em frente ao Liceu Gil Vicente, enquanto fui cortar o cabelo, esta gatinha, apesar da chuva, estacionou no capô do meu carro, mesmo em frente do pára-brisas. Só reparei quando entrei na viatura. Não reagiu por me ver dentro do carro: olhou para a esquerda, piscou os olhos, sempre nas calmas. 
E, mesmo quando abri a porta, para lhe fazer uma festinha, fez a sua pose, serenamente recebeu o carinho, levantou-se, disse adeus com a patinha direita e foi-se embora.







domingo, 29 de novembro de 2020

Amicus certus in re incerta cernitur

Há dias tive o meu "cumpleaños", que suscitou ao meu amigo e poeta Flávio Vara um generoso e lisongeiro poema que, mesmo correndo o risco de alguma imodéstia, não resisto a comparilhar aqui convosco:

 
 Amicus Certus
(para o Amílcar, em 24-11-20, dia do seu aniversário, com um abraço.) 

Tal é a velocidade 
do ritmo de mutação 
nesta era digital
que até a própria amizade 
já se tornou virtual.  

Amigos de carne e osso
e para as ocasiões
já são uma raridade
são apenas excepções. 

Por isso muito me prezo
de contar entre os amigos
um desses excepcionais,
como é o Amílcar Morais,
inteiriço, dos antigos. 


 *Amicus certus in re incerta cernitur (provérbio latino que significa: os verdadeiros amigos conhecem-se na adversidade). 


quarta-feira, 6 de março de 2019

Faleceu o Luís Aragão

O nosso Engenheiro Luís Maria Aragão Guedes Ramos faleceu hoje, vítima de doença prolongada. No próximo sábado, a partir 10 horas, decorrerá o velório, com missa, às 13 horas, na Igreja São João de Deus, à Praça de Londres, seguindo-se o funeral para o cemitério do Alto de S. João.. 
Funcionário e engenheiro electrotécnico brilhante, especialista em segurança contra incêndios, colaborou activamente, no âmbito do Conselho Superior de Obras Públicas, na elaboração dos regulamentos existentes. 
Como engenheiro electrotécnico, colaborou, a nível de projecto, obra e fiscalização, na execução de diversos empreendimentos a cargo da Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais. 
A sua inteligência, a sua competência e a sua capacidade de trabalho estiveram em evidência na colaboração prestada a diversas outras entidades, nomeadamente ao Serviço Nacional de Bombeiros, ao Instituto Português da Juventude, ao Instituto dos Registos e Notariado e ao Instituto Superior Técnico, aonde leccionou a cadeira de Métodos Estatísticos.

terça-feira, 3 de maio de 2016

MORREU O PADRE TELMO

Foi com profunda tristeza que tomei conhecimento do falecimento do Padre Telmo Baptista Afonso. Conheci-o no Colégio S. João de Brito, em Bragança, há mais de 50 anos e re-encontramo-nos e almoçámos em Bragança, ainda não há muito tempo, festejando a longa amizade de uma vida. Faleceu um homem honesto e bom, cujos altos padrões morais e éticos muito nos influenciaram.
O corpo está em câmara ardente, na igreja do Zoio. O funeral realizar-se-á, amanhã às 15 horas.

Ligações: Telmo Baptista Afonso (1929-2016) [Correio da Manhã]; Padre Telmo voa alto [Correio da Manhã]; Falecimento do Padre Telmo Afonso [Diocese Bragança Miranda]; Faleceu o Padre Telmo Baptista Afonso [Memórias.. e outras coisas...]; Pe. Telmo continua a voar nas alturas [Igreja e Mundo].

quarta-feira, 16 de setembro de 2015

AVELINO BARBOSA DEIXOU-NOS

Mais um amigo que nos deixou. António Avelino Abreu Barbosa fez recentemente, no passado domingo, 73 anos e nesse mesmo dia a doença levou-o para o hospital de onde já não saíu vivo.
Conheci-o no Santo Condestável, no princípio da década de 70, já engenheiro civil do IST, recém chegado do serviço militar na Guiné. Desde então, mantivemos uma longa e sólida amizade até ao seu fim. O Avelino era um engenheiro competente, um homem trabalhador, íntegro e de palavra, daqueles que vão cada vez mais escasseando. Hoje, desce à terra na sua terra natal, em Caminha. 
Já doente, ainda há bem pouco tempo nos convocava, com outros colegas, para um almoço.